Socialize

FacebookTwitterRSSMySpaceDelicious

Dark Angel – Leave Scars

Shinigami Records (relançamento) – 1989 – Estados Unidos

Essa série de relançamentos de grandes trabalhos que a Shinigami Records (http://www.shinigamirecords.com.br) tem feito está uma maravilha, ainda mais oferecendo músicas bônus no material. Nada como voltar no tempo e se espantar ao relembrar de como certos discos já soavam bem agressivos há mais de 20 anos.

O Slayer fez escola. Tá, isso não é novidade nenhuma, mas se você analisar os discos thrash da época do “Reign in Blood”, perceberá que o estilo muito rápido de Tom Araya cantar está nesse “Leave Scars”. Duvida? Então, dê uma sacada já na faixa de abertura – “The Death of Innocence” – a melhor e mais violenta do álbum, e veja se não concorda. Que porrada!

Entretanto, ao longo do play, a coisa varia entre sons mais trabalhados, e em menor quantidade, os mais diretos. Realmente, as longas composições estão bastante profundas e densas, mas no geral, a qualidade de todas é inquestionável.

Adorei os riffs de “No One Answers” – essa que é outra bala de canhão do CD – na parte dos solos. E a instrumental “Cauterization” é um show de técnica e maturidade. “Older Than Time Itself”, que faz parte da leva das mais diretas, éumo coice de mula. Excepcional. E o outro destaque fica para a faixa-título, com solos maravilhosos.

As raízes do rock ‘n’ roll marcam presença na cover do Led Zeppelin “Immigrant Song”, cujos famosos gritos no início da canção soaram meio hilários aqui, dando a impressão de que foram feitos com certo tom de deboche. Mas quem se importa? Ficaram muito legais!

O vocal seco e muito raivoso de Ron Rinehart dá um tom de violência e rebeldia a mais no álbum. Sem dúvida, uma contribuição de peso ao trabalho. Bem, e vale o registro da máquina que está na bateria: o lendário Gene Hoglan, um dos melhores do mundo. Com um time desses, a coisa só poderia resultar num material fodástico.

Outra constatação interessante: para um disco com mais de duas décadas de vida, a qualidade da gravação é espantosa, excelente se considerarmos o fato. Já nas quatro bônus ao vivo, o som é inferior, mas contraditoriamente, as músicas parecem mais extremas do que nas versões de estúdio. Como pode? E a simples, porém linda capa, por alguma razão me lembrou o filme “O Exorcista”.

Para os amantes de thrash e para os mais novos, que escutam essas bandas mais modernas, sem conhecer um pouco do estilo clássico, isso é não somente aconselhável, mas obrigatório.

NOTA 8,5

http://www.myspace.com/darkfuckinangel

Fonte: http://somextremo.blogspot.com

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe seu comentário:

comentários

Publicado por on 3 September, 2011. Filed under Resenhas. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response or trackback to this entry

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Desenvolvido por SitesProWeb